Torne-se um usuário cadastrado e ajude a Santa Fisio!! a crescer. É gratis!!

  Imprimir trabalhoEnviar Trabalho

Pneumonia Bacteriana


A invasão bacteriana do parênquima pulmonar provoca uma solidificação exsudativa (consolidação) do tecido pulmonar conhecida como pneumonia bacteriana (Robbins).

 

Patogenia: Embora os antibióticos tenham reduzido a taxa de mortalidade por pneumonia bacteriana, esse distúrbio continua sendo importante causa imediata de óbito na fase terminal de muitas enfermidades.

 

O pulmão normal é livre de bactérias e possui vários mecanismos poderosos de defesa que eliminam ou destroem qualquer bactéria inalada com o ar ou fortuitamente depositadas nas vias aéreas.

 

Esses mecanismos de defesa incluem:

 

·       Função de filtração exercida pela nasofaringe

 

·       Ação mucociliar das vias aéreas inferiores

 

·       Fagocitose e eliminação pelos macrófagos alveolares.

 

A pneumonia resulta sempre que esses mecanismos de defesa são prejudicados ou que a resistência do hospedeiro em geral estiver diminuída.

 

Muitos fatores podem interferir nos mecanismos de limpeza, tais como os seguintes:

 

·       Perda ou supressão do reflexo da tosse (coma, anestesia).

 

·       Lesão do aparelho mucociliar (fumaça do cigarro, doenças virais).

 

·       Interferência com a ação fagocitária ou bactericida exercida pelos macrófagos alveolares.

 

·       Congestão e edema pulmonares.

 

·       Acumulo de secreções.

 

Os fatores que afetam a resistência em geral incluem doenças crônicas, deficiência imunológica, tratamentos com agentes imunossupressores, leucopenia e mais raramente, as infecções virais.

 

As infecções bacterianas são observadas em dois padrões morfológicos que quase sempre se sobrepõem: broncopneumonia e pneumonia lobar. Dependendo da virulência bacteriana e da resistência do hospedeiro, o mesmo microorganismo pode, em determinada ocasião provoca broncopneumonia e, em outra ocasião, pneumonia lobar, verificando-se, algumas vezes, comprometimentos intermediários.

 

  

 

Broncopneumonia

 

 

Esse padrão de pneumonia bacteriana caracteriza-se por focos de consolidação exsudativa do parênquima pulmonar, causada com mais freqüência por estafilococos, estreptococos, pneumococos, Haemophilus influenza, Pseudomonar aeruginosa e bactérias coliformes.

 

Em nível macroscópico, o pulmão apresenta áreas dispersas, elevadas e focais de consolidação palpável e supuração.

 

As características histológicas consistem em exsudatos supurativo agudo que preenche os espaços aéreos e as vias aéreas, geralmente em torno dos brônquios e bronquíolos.

 

A resolução do exsudato costuma restabelecer a estrutura pulmonar normal, entretanto pode ocorrer organização, resultando em fibrose em alguns casos, ou a doença agressiva pode produzir abscessos.

 

Os sinais e sintomas clínicos dependem da virulência do agente invasor e da extensão do envolvimento pulmonar. geralmente o paciente é idoso, com temperatura de 38o C a 39,5o C, juntamente com tosse, expectoração e sibilos expiratórios num ou mais lobos.

 

  

 

Pneumonia lobar

 

 

Esse padrão de infecção bacteriana aguda afeta grande parte de um lobo pulmonar ou todo ele. A maioria das pneumonias lobares á causada por pneumococos que penetram nos pulmões através das vias aéreas. Em certas ocasiões, são provocadas por outros microorganismos (Klebsiella pneumonial, estafilococos, estreptococos, Haemophilus influenzal). A seguinte seqüência de estágios e clássica, porem raramente observada devido à utilização de antibiótico.

 

Os estágios que retratam a história natural da pneumonia lobar não-complicada são:

 

·       A congestão predomina nas primeiras 24 horas.

 

·       A hepatização vermelha (consolidação) refere-se ao tecido pulmonar com exsudação aguda confluente contendo neutrófilos e hemácias, conferindo um aspecto macroscópio semelhante a um fígado vermelho e firme.

 

·       Segue-se a hepatização cinzenta à medida que as hemácias sofrem desintegração e o exsudato fibrinossupurativo remanescente persiste, produzindo um aspecto macroscópio cinza-acastanhado.

 

·       A resolução refere-se ao estádio final favorável em que o exsudato consolidado sofre degradação enzimática e celular, com conseqüente eliminação. A estrutura normal é restaurada.

 

As complicações da pneumonia lobar são:

 

·       Formação de abscesso

 

·       Empiema

 

·       Pericardite Supurativa

 

·       Bacteremia e sépsis, com infecção de outros órgãos.

 

No padrão clássico da pneumonia lobar, o inicio dá-se abruptamente, com mal-estar, calafrios e febril. A tosse surge com expectoração, inicialmente de catarro aquoso, levemente turvo, indicativo do estágio de congestão, seguido por um catarro cor de ferrugem, purulento, francamente hemorrágico. A elevação de temperatura pode ser bastante acentuada, até 40o C ou 41o C. A falta de ar, ortopnéia e cianose podem surgir quando houver diminuição da capacidade vital do parênquima pulmonar.

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

 

  ROBBINS, Stanley; KUMAR, Vinay; COTRAN, Ramzi. Patologia Estrutural e Funcional. Rio de Janeiro; Guanabara Koogan. 1991. 4 ª ed.

 

 

 

Elaboradores: Johnny Siqueira ;

JULIANE DE OLIVEIRA .

Acadêmicos de Fisioterapia da UDESC.

 
 


Webdesign por Clauber Weigel Schappo.
Santa Fisio!!® - 2000-2010 - Todos os direitos reservados.
Melhor visualizado com o Internet Explorer 5 ou superior e resolução 800x600.