Torne-se um usuário cadastrado e ajude a Santa Fisio!! a crescer. É gratis!!

  Imprimir trabalhoEnviar Trabalho

Drenagem Linfática


Introdução

 

 

A Drenagem Linfática Manual pode ser definida como uma compressão metódica e rítmica do corpo, ou parte dele, para que se obtenha efeitos terapêuticos. A Drenagem Linfática Manual exerce efeito mecânico local, decorrente da ação direta da pressão exercida no segmento massageado, e também uma ação reflexa, indireta, por liberação local de substâncias vasoativas.

O homem utiliza a massagem como recurso terapêutico desde os tempos pré-históricos.

 

 

Desenvolvimento

 

O Sistema Linfático

 

O sistema linfático representa uma via acessória pela qual o líquido pode fluir dos espaços intersticiais para o sangue. E, o que é mais importante, os linfáticos podem transportar proteínas e material em grandes partículas, para fora dos espaços teciduais, nenhum dos quais pode ser removido por absorção direta pelos capilares sangüíneos. Essa remoção das proteínas dos espaços intersticiais é uma função essencial.

Quase todos os tecidos do corpo contêm canais linfáticos que drenam diretamente o excesso de líquido dos espaços intersticiais. As exceções incluem a parte superficial da pele, o sistema nervoso central, as partes mais profundas dos nervos periféricos, o endomísio dos músculos e os ossos. As vias linfáticas não possuem um órgão central bombeador e que o movimento da linfa depende da capilaridade e de forças externas ao sistema.

 

Formação da Linfa

 

A linfa é derivada do líquido intersticial que flui para os linfáticos. Por conseguinte, a linfa, como flui inicialmente de cada tecido, tem quase a mesma composição do líquido intersticial.

O sistema linfático é, também, uma das vias principais para a absorção de nutrientes do trato gastrintestinal, sendo responsável pela absorção de gorduras.

Por fim, até mesmo grandes partículas, como bactérias, podem forçar sua passagem por entre as células endoteliais dos capilares linfáticos e, por essa via, atingir a linfa.

 

A Massagem Clássica

 

Os efeitos fisiológicos da massagem clássica podem ser divididos em:

· Circulatório: deslocamento intermitente do líquido nos vasos, aumento da velocidade do fluxo, da troca de substâncias com as células tissulares. Aumento da irrigação sangüínea periférica, da concentração de eritrócitos e da excreção renal de água.

· Neuromusculares: apresentam efeitos benéficos pós-exercícios por aumentar a circulação com eliminação mais rápida de substâncias residuais, melhora a nutrição das miofibrilas e elimina o líquido extravascular, possibilitando um aumento na excitabilidade e contratilidade.

· Metabólicos: a massagem abdominal causa diurese. Esta diurese é acompanhada por elevada excreção de nitrogênio, fósforo inorgânico e cloreto de sódio.

 

As manobras básicas da massagem clássica.

 

Deslizamento Superficial: Consiste em movimentos deslizantes em grandes superfícies, leves, suaves e rítmicos. A pressão deve ser quase imperceptível e uniforme. A direção das manobras é indiferente, uma vez que a pressão exercida é insuficiente para afetar a circulação.

Deslizamento Profundo: É o movimento exercido com suficiente pressão capaz de causar efeitos mecânicos e reflexos. A pressão não deve ser excessiva, para não criar um mecanismo de reflexo de defesa.

Amassamento: É a mobilização do tecido muscular. O músculo sofre compressões alternadas no sentido da disposição de suas fibras. A pressão exercida é intermitente, devendo evitar o pinçamento da pele e tecidos superficiais.

Fricção: São movimentos circulares, com ritmo e velocidade uniformes, com suficiente pressão para mobilizar o tecido superficial em relação ao profundo.

Vibração: É o impulso vibratório transmitido à área a ser tratada. Técnica de difícil execução devido à dificuldade em se manter os tecidos a uma freqüência constante de vibração.

Percussão: Técnica de massagem na qual os tecidos são submetidos a golpes manuais com certa freqüência, utilizando-se a borda ulnar, a mão espalmada ou fechada.

 

A massagem de Drenagem Linfática

 

A pressão mecânica da massagem elimina o excesso de líquido e diminui a probabilidade de fibrose, expulsando o líquido do meio tissular para os vasos venosos e linfáticos. Dentro do contexto, edema linfático, a massagem é um dos recursos de grande auxílio ao terapeuta. O objetivo básico da massagem no edema linfático é drenar o excesso de fluído acumulado nos espaços intersticiais, de forma a manter o equilíbrio das pressões tissulares e hidrostáticas.

Os melhores resultados são obtidos através da associação da massagem com o posicionamento do segmento corpóreo em questão, na posição de drenagem.

O sentido da pressão deve ser sempre de distal para proximal, acompanhando o fluxo da circulação linfática e venosa e, deve ser realizada com uma leve pressão, visto que os vasos linfáticos são portadores de válvulas que direcionam o fluxo. Os processos que visam remover e transportar a linfa de volta à circulação sangüínea são dois: captação e a evacuação.

Captação: É realizada diretamente sobre o segmento edemaciado, visando aumentar a captação da linfa pelos capilares linfáticos.

Evacuação: As manobras se dão ao nível de pré-coletores e coletores linfáticos, os quais transportarão a linfa captada pelos capilares.

 

As manobras básicas da Drenagem Linfática

Drenagem dos Linfonodos

 

Para este tipo de massagem é necessário o conhecimento da localização dos linfonodos acessíveis à massagem. Inicia-se a drenagem dos linfonodos pelo contato direto dos dedos indicador e médio do terapeuta coma pele do paciente. Os dedos devem esta numa posição quase que perpendicular aos vasos e ao nível dos linfonodos. A manobra é realizada com uma leve pressão e está baseada no processo de evacuação.

 

Movimentos Circulares com os dedos

 

Os movimentos são realizados de forma circular e concêntrica, utilizando-se desde o dedo indicador até o mínimo. Os movimentos são leves e rítmicos e obedecem a uma pressão intermitente, na área edemaciada, seguindo o sentido da drenagem fisiológica.

 

Movimentos Circulares com o polegar

 

A única diferença desta manobra com a descrita anteriormente, é que esta é realizada somente com o polegar.

 

Bracelete

 

Esta manobra é exigida quando o edema atinge grandes áreas. O procedimento pode ser uni ou bimanual e o sentido de distal para proximal ou vice-versa, sendo que a pressão deve sempre obedecer ao sentido da drenagem fisiológica.

Orientações Gerais para a Terapia de Drenagem Linfática

- O segmento corpóreo em questão deve estar em posição de drenagem.

- A pressão exercida deve seguir sempre o sentido fisiológico da drenagem, de distal para proximal.

- A massagem deve iniciar-se pelas manobras que facilitem a evacuação, objetivando descongestionar as vias linfáticas.

- O conhecimento das vias de drenagem é de vital importância para o sucesso da terapia.

- As manobras devem ser realizadas de forma rítmica, com uma pressão leve e intermitente.

 

 

Conclusão

 

 

Concluímos que o estudo da Drenagem Linfática Manual é de importância fundamental na vida de um terapeuta. Após a realização deste, ficamos sabendo um pouco mais do Sistema Linfático e de suas vias, e a tal importância de conhecer esses fatores para uma melhor realização do tratamento e com isso um alcance de melhores resultados.

A Drenagem tem um papel importante, hoje em dia principalmente, já que estamos vivendo na era da cirurgia plástica, lipoaspiração e outros métodos de estética. A drenagem elimina de forma pura e leve, através das fezes e urina, impurezas constantes no corpo do ser humano.

Cabe ainda dizer, que a realização deste foi de suma importância para toda a equipe.

 

 

Bibliografia

 

 

Guyton.Tratado de Fisiologia Médica –– 9ª Edição. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro – RJ – 1997.

 

Internet.

 

Guirro, Elaine Caldeira. Fisioterapia em Estética. Editora Manole. São Paulo – SP – 1996.

 
 


Webdesign por Clauber Weigel Schappo.
Santa Fisio!!® - 2000-2010 - Todos os direitos reservados.
Melhor visualizado com o Internet Explorer 5 ou superior e resolução 800x600.